Tag Archives: Philippa Gregory

O bobo da Rainha

12 jan

“- Independente dos acertos e erros da cerimônia de casamento, estou lhe pedindo para fazer um casamento, estou lhe pedinod para fazer um casamento agora. Estou pedindo para que me perdoe e me ame, como uma mulher, para que não me disseque como um estudioso. Ame-me com o seu coração, não com a sua cabeça.
– Lamento – repliquei.- Não amarei. Minha cabeça e meu coração são indivisíveis, e não me partirei de modo a que meu coração seja de uma maneira e minha cabeça discorde. Por mais caro que me custe essa decisão, a assumirei inteira, como uma mulher inteira. Pagarei o preço, mas não retornarei a você e aquela casa.
– Hannah, eu a amo – desabafou.- será a minha morte se você deixar de me ver.
Virei-me e o encarei, como um garoto, não como uma mulher olhando nos olhos de seu marido.
– Daniel, só tem a si mesmo a quem culpar. Não sou uma mulher com quem se brinca. Você foi falso comigo e arranquei do meu coração e da minha mente o amor que sentia e nada, nada mesmo, vai restaurá-lo.
Ele empalideceu.
– Não pode me deixar – disse – Fomos casados diante de Deus, do nosso Deus. Não pode romper um voto a Deus. Não pode quebrara promessa que me fez.
Levantei-me como se essas palavras fossem um desafio.
– Não me importo nem um pouco com o seu Deus, nem você. Eu o deixarei amanhã.”

O bobo da Rainha

Fugindo da Inquisição,a judia Hannah chega ao palácio de Whitehall e ingressa na corte dos Tudor, onde a conspiração espreita a cada mesura. A serviço do belo Robert Dudley, a joveml que possui o dom da premonição, é enviada como bobo santo para espionar a princesa Mary, herdeira esquecida ao trono do rei Eduardo. Em vez da temida tirana, Hannah encontra uma mulher ansiosa pela chance de usar a coroa e motivada pelo desejo fatal de fazer seu povo reaver a verdadeira fé – enquanto a irmã, Elizabeth, observa atentamente seus erros e reza por sua morte.Dividada entre a paixão por Dudley e o dever familiar, extasiada com os próprios dons e apreensiva em relação ao desconhecido, Hannah deve encontrar um caminho para atravessar esses tempos perigosos dos quais é ao mesmo tempo testemunha e artífie. Tempos em que professar a religião errada era uma sentença de morte; ciência e magia eram uma única arte; e amor verdadeiro era um privilégio de poucos.

“À nossa – disse Robert, erguendo seu copo em um brinde irônico – Uma rainha de coração partido, um rei ausente, um bebê perdido, uma pretendente à rainha, dois bobos e um traidor reabilitado. Saúde.”

——————————————————————————————–——————–
Nome do Livro no Brasil: O Bobo da Rainha
Nome Original: The queen’s fool
Escrito por: Philippa Gregory
Publicado no Brasil em: 2010
Editora: Record
Nº de Páginas: 517
Capa original:

Anúncios

O amante da Virgem

27 jul

“- Há um meio – disse ele, devagar. – Mas se trata de um caminho muito sombrio.
– Ensinaria a ele o seu lugar? – ela perguntou. – Que o lugar dele não é o meu?
– Iria deixa-lo com medo pela própria vida e humilhá-lo até o pó.
– E jamais saberá que fui eu quem ordenei isso – ela sussurrou.
– Acho que não. – Ele hesitou. – Exige a morte de uma pessoa inocente.
– Só uma?
Ele assentiu com a cabeça.
– Só uma.
– Ninguém que eu amo?
– Não.
Ela não pensou nem por um momento.
– Faça então.
Cecil permitiu-se um sorriso. Com muita freqüência, quando achava Elizabeth a mais fraca das mulheres, via que era a mais poderosa das rainhas.”

O amante da Virgem

No outono de 1558, os sinos das igrejas da Inglaterra anunciam uma nova rainha. Aos 25 anos, a filha de Henrique VIII e Ana Bolena sobe ao trono da nação. Entretanto, uma mulher parece não compartilhar as boas-novas com os demais súditos. Esposa de Sir Robert Dudley, a jovem Amy sabe que a ascensão da ambiciosa Elizabeth pode levar o marido de volta ao centro da corte dos Tudor. Alguns anos antes, a ambição dos Dudleys havia sido aplacada com a decapitação do patriarca, acompanhada pela desonra de Robert.
Quando os sinos dobram, porém, Amy tem a certeza de que o marido vai se dirigir mais uma vez para o coração do poder real. Afinal de contas, o amor de uma súdita não tem como rivalizar com o desejo de uma rainha em ascensão.
No entanto, os festejos em torno da jovem soberana têm vida curta. Elizabeth I herda um país falido, com o território cindido pela traição e pela intriga, às vésperas de uma guerra com a católica Escócia. A seu lado, a rainha conta com o fiel conselheiro William Cecil, que a orienta a se casar com um forte soberano aliado, para que seu reino se mantenha firme.
Mas o único homem que Elizabeth deseja em seu leito é Robert Dudley. À medida que o jovem casal se apaixona, o aristocrata começa a pensar no impossível: deixar a esposa para se tornar consorte real…

——————————————————————————————–——————–
Nome do Livro no Brasil: O amante da Virgem
Nome Original: The Virgin’s Lover
Escrito por: Philippa Gregory
Publicado no Brasil em: 2007
Editora: Record
Nº de Páginas: 445
Capa original:

A herança de Ana Bolena

27 jul

“Eu não sou louca. Posso ser idiota, e posso ser muito ignorante (apesar de estar aprendendo francês, voilà!), mas pelo menos não acho que se, diante do arcebispo, dizer “aceito”, isso não valha nada depois de seis meses. Mas vejo que vivo em um mundo que é governado por um louco e por seus caprichos. Além disso, ele é o rei e o chefe da Igreja, e Deus fala com ele diretamente, portanto se diz que é assim, quem vai contradizê-lo?
Não eu, de qualquer maneira. Posso ter lá minhas idéias (por mais estúpidas que tenho certeza que são), mas sei que o rei é maluco e que o mundo inteiro é maluco. A rainha agora vai ser sua irmã, e eu serei sua esposa e nova rainha. Serei a rainha da Inglaterra. Eu, Kitty Howard, vou me casar com o rei da Inglaterra, e serei rainha!”

A herança de Ana Bolena

Em 1539, toda a corte dos Tudor encontra-se apreensiva. Henrique VIII está doente e envelhecido, e tem apenas um herdeiro, o pequeno Eduardo, de 3 anos de idade. O soberano inglês precisa de uma nova consorte. No entanto, as três mulheres que freqüentaram o leito real sofreram ao lado do poderoso monstro.
Interessado em estreitar as relações com a Alemanha – e por extensão alijar a França e a Espanha do tabuleiro político -, Henrique VIII negocia um novo casamento, com Ana de Cleves, a qual conhece apenas por uma tela do pintor Hans Holbein. Escolhida para ostentar a coroa inglesa, a jovem consorte pressente que a corte mais se parece com uma armadilha prestes a se fechar ao seu redor.
Enquanto isso, Catarina Howard, dama de companhia de Ana de Cleves, tem a consciência de que sua beleza é notada por todos os homens –e está disposta a seguir os passos da prima Ana Bolena e ocupar o lugar ao lado de Henrique VIII.
Porém, se há uma mulher que deseje o poder a qualquer custo, esta é Jane Bolena. Seu passado tem o gosto amargo de deslealdade e morte. Viúva do irmão de Ana Bolena, viu o marido e a cunhada serem executados por traição. Agora, ela tem um único objetivo na vida: manipular o destino da nova rainha e ser, dos bastidores, a mulher mais poderosa da Inglaterra.

Philippa Gregory, consagrada autora de romances históricos, mais uma vez constrói uma trama inesquecível, sobre três jovens mulheres que desejavam a glória de pertencer à corte de Henrique VIII, um dos soberanos mais populares de todos os tempos.

——————————————————————————————–——————–
Nome do Livro no Brasil: A herança de Ana Bolena
Nome Original: The Boleyn Inheritance
Escrito por: Philippa Gregory
Publicado no Brasil em: 2008
Editora: Record
Nº de Páginas: 459
Capa original:

A irmã de Ana Bolena

27 jul

“Ana tentou fasciná-lo com sua beleza e energia. Ela manteve a calma com ele, apesar de ele se mostrar amargo e insensível. Dançou, jogou, riu, patinou, era só alegria, despreocupação. Pôs Jane Seymour em segundo plano, nenhum homem tinha olhos para outra quando Ana estava de humor exultante. Nem mesmo o rei conseguia desviar os olhos quando ela dançava,a cabeça ereta, girando charmosamente o pescoço quando alguém falava com ela, cercada de homens que escreviam poemas sobre a sua beleza, músicos que tocavam para ela, o centro da excitação da corte em jogo. O rei não conseguia tirar os olhos dela,mas seu olhar não era extasiado. Ele a olhava como se tentasse compreender alguma coisa, como se fosse elucidar seu encanto, de modo que pudesse vê-la destrinçada, despojada de tudo que, no passado, a tornara tão adorável para ele. Ele olhava para ela com um homem olha para uma tapeçaria que lhe custou uma fortuna e que, de repente, em certa manhã, a considera sem valor e quer desfazer a compra. Ele olhava para ela como se não entendesse como podia ter-lhe sido tão cara, e o recompensado tão pouco. E nem mesmo o encanto e a vivacidade de Ana o convenciam de que a barganha tinha sido positiva.”

A irmã de Ana Bolena

Aos 14 anos a inocente Maria Bolena, sua irmã mais nova Ana e o irmão George chegam à corte. À época, as grandes famílias aristocratas habitavam os arredores do palácio real e ter uma mulher de sua prole nas proximidades do leito do soberano era garantia de ascensão social. A doçura e beleza de Maria chamam a atenção de Henrique VIII, soberano da dinastia Tudor na Inglaterra entre 1509 e 1547, lembrado no imaginário popular por sua fama de conquistador. Encantada com a atenção do rei, Maria se apaixona pelo nobre e pelo papel não-oficial de rainha. Como nova amante de Henrique VIII sua aventura amorosa é incentivada pelos irmãos e o relacionamento se estende por anos, gerando dois filhos, inclusive um homem. Entretanto, toda a família Bolena está envolvida em uma intriga ainda maior – a dissolução do casamento do soberano com Catarina de Aragão. A conspiração da família, no entanto, sofre uma reviravolta e Maria precisa declinar de seu sonho e amor em nome de sua melhor amiga e rival – Ana. A irmã se aproveita da ausência de Maria durante um curto período e conquista a atenção do rei, substituindo Maria no papel de primeira-amante do rei. Mas seu desejo de tornar-se rainha não tem limites e, ao mesmo tempo em que cresce o desejo de Henrique VIII por um filho legítimo, Ana planeja o que fazer para se livrar da esposa dele. Essas e outras intrigas são costuradas por Philippa Gregory, que passou três anos pesquisando a Inglaterra do século XVI. O livro traz uma história envolvente com altas doses de amor, sexo, ambição e intrigas, que apresenta ao leitor uma mulher forte e determinada que viveu sob a sombra de sua família, no coração da mais glamourosa e excitante corte da Europa, e ainda assim sobreviveu, seguindo seu coração.

——————————————————————————————–——————–

Nome do Livro no Brasil:  A irmã de Ana Bolena
Nome Original:  The Other Boleyn Girl
Escrito por:  Philippa Gregory
Publicado no Brasil em: 2009
Editora:  Record
Nº de Páginas: 626

Capa original: