Arquivo | O Morro dos Ventos Uivantes RSS feed for this section

O Morro dos Ventos Uivantes

26 jul

“Em primeiro lugar, a sua impressionante semelhança com Catherine faz com que ele se relacione terrivelmente com ela. Porém essa relação, que você talvez pense ser a força máxima que excita a minha imaginação, é ,na verdade, a força mínima, porque… o que é que, para mim, não se relaciona com ela? O que não me faz recordá-la? Não posso olhar para este chão sem que veja as suas feições recortadas nas lajes! Em todas as nuvens, em todas as árvores… enchendo o ar, à noite, e refletida em todos os objetos, durante o dia, eu vejo a sua imagem! Os rostos mais comuns de homens e mulheres, os meus próprios traços, traem-me com uma semelhança. O mundo inteiro é um terrível álbum de recordações a provar que ela existiu e que eu a perdi! A figura de Hareton surgiu, diante de meus olhos, como o fantasma do meu amor imortal, das minhas desesperadas tentativas de defender os meus direitos, da minha degradação, do meu orgulho, da minha felicidade e da minha angústia.”

O Morro dos Ventos Uivantes

Tudo começa quando Sr. Earnshaw traz um menino de rua como “presente” para sua filha Catherine, ao voltar de sua viagem a Liverpool.
Como o senhor estava se afeiçoando mais ao seu filho adotivo do que ao seu legítimo, Hindley, isso gera um ciúme e revolta excessiva no adolescente, descontando tudo depois do falecimento dos pais.
Heathcliff e Catherine cresceram juntos, amando-se e até mesmo respeitando o temperamento difícil de ambos, afinal, Catherine era muito ativa, espontânea e dual, algo que, mais adiante, foi motivo para prejudicar a relação entre eles. Porém, Heathcliff, era mais calado, sombrio e vingativo. Aproveitou muito da confiança de seu pai, para assim fazer chantagens a Hindley. Prova disso foi o ódio que ele cultivou do irmão emprestado.
Em uma de suas andanças pelos arredores de Wuthering Heights, o casal resolve chegar próximo à casa dos Lintons. Na fuga de volta para casa, Catherine se machuca e logo é resgatada pelos empregados dos Lintons que, levando-a para casa, resolvem tratar de seu ferimento.
Heathcliff retorna ao Morro e avisa do acontecido.
Passam-se umas semanas, ela retorna mais polida e educada. Ali encontra seu amigo sujo e ainda mais amargurado, afinal, ela o abandonou sem mandar um recado.
Com o decorrer dos dias, Catherine foi ficando mais íntima dos irmãos Isabela e Edgar Linton e acaba aceitando o pedido de casamento do refinado rapaz.
Ao contar a novidade para sua ama, Ellen Dean, Catherine confessa seu amor eterno por Heathcliff, falando que ele é mais ela do que ela mesma, e não sabe do que é feito as almas, porém tem a convicção de que ambas são iguais. Ela se casando com Heathcliff, seria o mesmo que degradar-se, contudo se casando com Linton, esta poderia de alguma forma ajudar o pobre rapaz.
Mal sabia Catherine o caos que estava fazendo em enganar o próprio coração.
Em algumas partes da trama, você quer sufocar Catherine por não ter escutado a voz interna do coração e por ter se casado com Edgar por vaidade.
Outras vezes, você quer estrangular Heathcliff por ser tão amargo e vingativo, e por levar adiante uma vingança lenta e fria, sacrificando até mesmo a segunda geração de ambas famílias..
O interessantíssimo da história é que é quase impossível você julgar ou tentar achar um culpado por toda aquela desgraça amorosa. E ainda acredito que essa foi a grande chave para todo o sucesso da autora Emily, afinal, seus primeiros escritos foram recusados por várias editoras.

Fonte

——————————————————————————————–——————

Nome do Livro no Brasil: O morro dos ventos uivantes
Nome Original: Wuthering Heights
Escrito por: Emily Brontë
Publicado no Brasil em:
Editora: Cedibra
Nº de Páginas: 127
Capa original:

Obs: A capa está com marca d’água porque foi scaneada do meu exemplar de O Morro dos Ventos Uivantes, que foi lançado (muito provavelmente como brinde) de uma revista chamada NOVA. No livro, não têm data de impressão e nem sinopse. Só está escrito: Tradução: Vera Pedroso. Condensação: Luthero Maynard. Capa: Mário Cafiero. Cláudia Rimini (papel marmorizado). Tradução Cedibra Editora Brasileira Ltda.
Quem tiver alguma idéia da data em que esse exemplar foi lançado, por favor, colocar a data no comentário.

Obs²: O livro em inglês também têm inúmeras capas, então também não sei dizer qual a original. Coloquei a que achei mais bonita.